domingo, 14 de fevereiro de 2016

1 - História de Capelins

Arte Rupestre em Capelins

3. 14. MOINHOLA

Localiza-se a 3, 5 km do núcleo anterior (Fig. 2). Administrativamente integra a freguesia de Capelins, concelho do Alandroal, distrito de Évora. Encontra-se cartografada na folha 463 da Carta Militar de Portugal, ocupando uma área entre as seguintes coordenadas Greenwich: 38º 30’ 18,12’’ N 07º 18’ 50,71’’ O e 38º 29’ 45,70’’ N 07º 18’ 53,68’’ O. As altitudes variam entre os 117 e os 122m. Corresponde à maior das estações do Guadiana. Situa-se no leito de cheia do rio (Fig. 108), encontrando-se por isso coberta em parte por aluviões modernos constituídos essencialmente por lodos e alguns calhaus dispersos (Perdigão e Assunção, 1971, 6). Se considerar-mos esse caudal, situar-se-á mais perto da margem esquerda. No Verão, contudo, o acesso só é possível a partir da margem direita. Trata-se de uma zona altamente acidentada. Tanto afloram os xistos em crista como em painéis horizontais (Fotos 80 e 81) . Aqueles são de cronologia devónica, acompanhados frequentemente por veios de quartzo (Perdigão e Assunção, 1971, 7-8). A topografia é muito recortada, penetrando no rio em vários pontos, originando deste modo poças e canais que mesmo no Verão não chegam a secar. A vegetação é de carácter hidrófilo, abun-dando as arbustivas e as herbáceas.Para efeitos de uma melhor descrição da distribuição das rochas, falaremos da sua localização em relação ao moinho que aí se encontra. As que se seguem encontram-se para montante daquele. Rocha 1: Enorme rocha constituída por vários campos compositivos separados por fracturas paralelas à xistosidade geral (sensi- velmente orientadas na direcção oeste – este). Deste modo, aqueles aparecem-nos como lonas faixas perpendiculares ao rio (Foto 82). As superfícies são sub-horizontais, descendo pro-gressivamente de este para oeste. No entanto, por força de uma descrição mais ecaz, a rocha foi dividida em painéis arti-ciais (Fig. 109) que passaremos a descrever. A ordem seguida será da direita para a esquerda, ou seja, de norte para sul.
Painel A
(Fig. 110 e Fotos 83 a 85): De cima para baixo e da esquerda para a direita encontramos um semicírculo (nº 2), um pequeno sulco transversal (nº 5), outro semicírculo (nº 3) e um círculo seccionado em dois (nº 4). Abaixo deste conjunto localizam-se dois antropomorfos. O da esquerda (nº 5) é definido por um círculo (cabeça) e dois sulcos menores (braços) que ladeiam um maior (corpo); À esquerda deste último uma pequena linha curva parece representar um dos membros inferiores. O motivo da direita é definido por um círculo, corpo longo, dois pares de membros superiores rectos e pernas arqueadas (nº 6). No sector inferior foi gravado um círculo (nº 7). Numa pequena superfície situada à esquerda dos motivos atrás descritos identifica-se um motivo “baculiforme” (nº 8).
Painel B
(Fig. 111): Na superfície mais a oeste foi gravado um semicírculo (nº 1), moti- vo que se repete no campo compositivo situado um pouco abaixo (nº 2). Aqui encontramos ain-da um círculo simples (nº 3), dois círculos com apêndice (nºs 4 e 5) e um último com apêndice e sulco transversal a este, características que parecem antropomorfizar o motivo (nº 6). Iden-tificam-se também vários picotados dispersos, situação que voltamos a verificar em torno do círculo gravado mais abaixo (nº 7). Na superfície inferior, identificam-se em cima três figuras subcirculares providas de apêndice (nºs 8 a 10), encontrando-se as duas últimas associadas. O motivo 10 apresenta ainda um pequeno círculo no interior. À direita deste conjunto foi gravada uma composição de características antropomórficas, definida por três círculos e dois sulcos (nº 11). Para baixo, à direita, encontra-se um grande círculo, motivo que se repete com e sem apêndices no sector inferior (nº s 13 a 16, 18 e 21). Para além destes foram gravados um antropomorfo de braços sub-rectilíneos e pernas em V invertido (nº 20), e um semicírculo (nº 17), figura que se repete por duas vezes à direita deste conjunto (nºs 19 e 22).
Painel C
(Fig. 112 e Fotos 86 e 87): A dis-tribuição das figuras aliada à divisão imposta pelas fracturas naturais permite-nos falar em dois campos compositivos distintos. Um à es-querda cujo repertório gurativo não se distin-gue do das restantes superfícies historiadas das rochas, e outro à esquerda que será seguramente um dos mais barrocos de toda a estação. Assim, no primeiro encontramos no sector superior um círculo (nº 1). Mais em baixo foram gravados um motivo subovóide (nº 2), um semicírculo (nº 3), um círculo simples (nº 5), um com apêndice (nº 4) e duas covinhas (nºs 6 e 7). À direita deste conjunto localizam-se um sulco horizontal (nº 8), um ténue círculo e uma fossette (nº 10). No sector central, à direita, distinguem-se, de cima para baixo: um círculo (nº 125), uma fifiura subovóide com algumas fossettes no interior (nº 126) (Foto 97) e outros dois círculos (nºs 127 e 128). No sector inferior observam-se um círculo com um semicírculo no interior (nº 129), um baculiforme (nº 130), duas guras subcirculares associadas entre si (nºs 131 e 132) (Foto 99) e uma barra vertical (nº 133).O campo da direita é, como referimos atrás, o mais preenchido da estação. Na superfí-cie superior (Fotos 88 e 89) foram gravados um semicírculo (nº 11) e uma composição passível de ser descrita como um círculo provido de um apêndice que secciona uma figura elíptica (nº 12) (Foto 91). Na diminuta superfície situada imediatamente abaixo identifcam-se quatro guras circulares (nºs 13 a 16), uma figura su-bovóide (nº 17), dois círculos com apêndice (nºs 18 e 19) (Foto 92), dois semicírculos (nºs 20 e 21), uma barra horizontal (nº 22) em aparente associação com o motivo 20, um sulco transversal (nº 24) e uma covinha (nº 24). À direita desta concentração encontra-se um círculo com três apêndices orientados na mesma direcção (nº 25) (Foto 93), composição semelhante ao motivo 1 do painel A descrito atrás.Mais em baixo encontramos nova con-centração de motivos. Individualizam-se nove figuras circulares ou subcirculares (nºs 26 a 34). O motivo 27 tem um círculo no interior e o 34 apresenta-se associado a uma pequena gura triangular. Para além destes, identificam-se um bucrânio (nº 35), um semicírculo (nº 36), dois antropomorfos de braços arqueados e pequenas pernas em V invertido (nºs 37 e 38). À direita deste conjunto foram gravados dois sulcos cur- vos (nºs 39 e 40) e uma gura subovóide com apêndice (nº 41). Sob aquele, individualizam-se dois círculos simples (nºs 42 e 43) e outro com apêndice (nº 44).Imediatamente abaixo identicam-se qua-tro motivos subcirculares (nºs 45 a 48). O 46 tem um semicírculo no interior e adossa-se a um círculo mais pequeno. Parte do motivo 47 foi reaproveitado para a execução de um an-tropomorfo do qual só resta a metade esquer-da (nº 49). Tem o membro superior arqueado e o inferior em V invertido. À sua direita foi gravado um outro de tipo cruciforme e pernas em V invertido (nº 50). Junto do limite direito do painel encontra-se um outro antropomorfo de tipologia muito excêntrica (nº 52) (Foto 94). Consiste este num enorme círculo a partir de onde se desenvolvem para baixo dois sulcos verticais paralelos entre si (as pernas). Por sua vez, cada um destes é provido de um apêndice horizontal exterior (os braços). Sobre o esquerdo foi gravado outra figura humana de pernas arqueadas e desproporcionadas em relação ao resto do corpo de tipologia cruciforme (nº 51).Sob estes motivos, à esquerda, observam--se dois círculo (nºs 53 e 54). Adossado ao último motivo foi gravado um antropomorfo de corpo longo e membros em V invertido (nº 55). À direita deste encontra-se uma concentração de picotados de contorno genericamente circu-lar (nº 56). Junto ao limite do painel observa--se o que parecem ser restos de um antropomorfo de pernas arqueadas (nº 57). Sob estes, à esquerda, observam-se dois pares de círculos concêntricos (nºs 59 e 60). Para a direita foram gravados oito círculos simples (nºs 61 a 69) e um com apêndice (nº 70).Para baixo, junto ao limite esquerdo do campo, foi gravado um semicírculo (nº 71). Num nível abaixo foi gravada uma figura sub-circular com apêndice (nº 72). À direita do anterior encontra-se um círculo (nº 73) adossado a um par destes motivos concêntricos (nº 74). Sob estes, um par de círculos (nºs 75 e 76) ladeiam um antropomorfo de membros arqueados (nº 77) (Fotos 95 e 96). Em baixo encontramos, da esquerda para a direita: um círculo (nº 78), um círculo com apêndice (nº 79), um círculo com covinha ao centro (nº 81) e três círculos com apêndice (nºs 82 a 84). Logo abaixo verifica-se a existência de dois círculos (nºs 80 e 85). Este último ladeia uma fractura que quebra um par de círculos concêntricos situado abaixo (nº 88). Aproveitando em parte o círculo mais exterior foi gravado uma antropomorfo (nº 87) em posição invertida. À direita da figura observam-se um círculo (nº 89), um baculiforme (nº 90) e outro círculo (nº 91). Entre os moti- vos 88 e 91, em baixo, foram gravados quatro círculos simples (nºs 92 a 96), os três últimos em associação. À esquerda destes encontram-se um círculo com apêndice curvo e um enorme círculo simples (nºs 97 e 86, respectivamente).
Sobre estes vêem-se oito guras subcirculares (nºs 98 a 105).Sob esta superfície individualiza-se uma outra ocupada apenas por figuras subcirculares e semicirculares, na sua maioria de grande tamanho. Uma situada no sector superior direito e outra no sector inferior do mesmo lado têm um sulco vertical no interior (nºs 106 e 123). Seis figuras encontram-se associadas (nºs 111 a 116). Uma apresenta um apêndice e um se-micírculo no interior (nº 117). Três são abertas (nºs 121, 122 e 124) e as restantes fechadas (nºs 107 a 110 e 118 a 120).A superfície inferior é dividida em dois por uma fractura natural transversal à xistosidade geral. Na de cima identifica-se uma figura oblonga com apêndice (nº 134) e um enorme círculo (nº 135). Na de baixo observa-se um motivo elíptico (nº 136), uma possível figura antropomórfica da qual só restam um corpo e duas prováveis pernas (nº 137), um bucrânio (nº 138) (Foto 98) e um conjunto de picotados que parecem corresponder a vestígios de outra figura humana (nº 139).
Painel D
(Fig. 113): No que considerámos como painel D contam-se três faixas paralelas entre si. Na superfície superior da direita idntificam-se duas figuras circulares providas de apêndices terminados em Vs invertidos, caractefiísticas que as antropomorzam [nºs 1 e 2 (Foto 100)]. Na superfície inferior observam-se, de cima para baixo: um círculo com apêndice (nº 3), um círculo (nº 4), uma covinha (nº 5), um semi-círculo (nº 6), outra fossette (nº 7), outro círculo com apêndice (nº 8) e um círculo simples (nº 9).Na superfície central superior verifica-se a existência de um círculo (nº 10), uma covinha (nº 11) e uma enorme figura circular (nº 12) associa-da a um semicírculo (nº 13). Na mesma faixa, em baixo, foram gravados quatro círculos com apên-dice (nºs e 102). O motivo situado mais em baixo trata-se de um círculo com apêndice (nº 20).Na faixa da esquerda todos os motivos foram gravados alinhados entre si. Assim, de cima para baixo individualizamos uma covinha (nº 21), dois semicírculos (nºs 22 e 23), dois círculos (nºs 24 e 25), uma barra vertical com uma ligeira inflexão para a esquerda (nº 26), um círculo com apêndice associado a uma barra transversal (nº 27) (Foto 103) e uma figura subcircular associada a um triângulo (nº 28) (Foto 104).
Painel E
(Fig. 114): Na superfície que agora descrevemos podemos, de igual modo, distinguir dois sectores separados por uma fractura natural. Apenas a da direita se encontra historiada. De cima para baixo e da direita para a esquerda identificam-se: um círculo (nº 1), dois possíveis semicírculos (nºs 2 e 3), uma covinha (nº 4), um círculo (nº 5), uma barra horizontal (nº 6) e uma covinha (nº 7).
Painel F
(Fig. 115): Também neste painel se distinguem dois sectores alongados e paralelos entre si. No da direita individualizamos na superfície superior uma figura ovóide (nº 1). Na inferior identificam-se quatro círculos (nºs
2, 4 a 6) e um serpentiforme (nº 3) que arranca a partir do motivo 4 (que, diga-se, é aberto).Na faixa da esquerda observam-se, de cima para baixo: um semicírculo (nº 7), uma figura subelíptica (nº 8) (Foto 105), uma gran-de figura circular onde no interior foi gravado um motivo oblongo ladeado por dois motivos elípticos (nº 9) (Foto 106), dois círculos (nºs 10 e 11), uma barra horizontal (nº 12), uma figura elíptica (nº 13) e um antropomorfo de corpo longo, braços arqueados e pernas em V invertido (nº 14).Rocha 2 (Fig. 116): Painel sub-hoizontal orientado para oeste. Identifica--se apenas uma figura zoomórfica picotada (Foto 107). O corpo é representado por uma oval. As patas traseiras são arqueadas e as dianteiras rectas. As armações parecem indicar-nos estarmos em presença de um capríneo.
Continua...
http://www.academia.edu/…/A_arte_rupestre_do_Guadiana_portu…

198 - Terras de Capelins Vidas do Contrabando e dos guardas fiscais nas terras de Capelins  História, lendas, contos e tradições da...